sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

A dança de nossas saídas.



Atravesso a rua, ele a espera de risos. Não são apenas os abraços e as conversas soltas que me conduzem, mas seus pés caminhantes de conhecimento, mas seus olhos de cliques registrados, seus encantos cantados em prosa. Ele é conduzido pela sapiência de vida, pelos encantos do dia a dia, pelo que é natural e belo. Eu sou apenas um fôlego entre suas andanças. E ele aquele amigo que beija abraço de saber entre trocas de sorrisos. Possui aquele toque de encanto cheio de delicadeza muito macho. Gosto! Sinto-me instigada entre as conversas de bel-prazer. Ele finge ser normal ao senso comum, insisto em dizer que sua maestria de cliques e escritas são porres de sabedoria! Sempre tudo muito bom. Atravesso a noite, ele me trai com a escrita do dia seguinte, e eu digo tudo bem até o próximo passo. Atravesso a lua, ele me trai com uma mensagem de trabalho e me pede desculpas. Atravesso nossos passos, ele me trai com falácias de saudade amiga. Apenas quero a amizade vindoura de nossos pequenos grandes laços.

.

A travessia é pequena, mas a amizade é feita de encantos clicados escritos.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Minhas tardes, sozinha.



17: 11 da tarda as árvores ventando minha solidão, eu toda estranha, mas com uma saudade imensa de ter você, entre meus braços, entre meus sorrisos, entre minhas interrogativas, entre minha vida ou já não nossa... Através da janela do quarto vejo os galhos de uma árvore grande como a saudade de você, entre as cores do céu e as cores em que guardo você. Fico aqui vestida sozinha em espera. Todo o quente do quarto com o cair da tarde vai esfriando, na cidade sozinha... Mas pensar em você, em nossos bons momentos vibra calor, tão nosso desejado, entre gargalhadas de histórias loucas de saudade mal contada. Queria ao menos poder ti sentir, agora. Não consigo mais viver assim de SAUDADE! Respondo que está tudo bem, pergunto pra quem? Meu amor hoje se encontra cheio de distâncias de carinho, preciso do encaixe dos braços meus em você. Nossos compromissos são muitos, e afinal qual o maior deles, se não eu você o amor de nós?! Sempre penso mil coisas longe de seu carinho, nada lembrado perto do toque tocado entre uma noite sorrisos e colinho. Guardo, ainda, suas flores dos primeiros dias de romance, não apenas na memória, mas numa caixinha onde deposito todas as nossas lembranças... A noite chega em silêncio sem prazer de adormecer, falta o amor, o meu amor, a minha vida completude. Fico com aquela sensação de imensa falta de alguma coisa que nada me satisfaz. Lembro-me da nossa história, mas minha alma pede calor... (acredito que o nosso amor precisa ser agarrado). Vejo do quarto os melhores momentos, uns esperados outros já deixados para o dia seguinte de encontro. A espera da distância é tão longa, despedir-se de seu sorriso de calor quente me deixa com falta de você. E na cadeira sentada parada sem ação pra pensar se não em você, choro despedida de saudade, com um desejo profundo de ao menos poder vê você e abraçar. Como eu queria trocar todas as nossas distâncias por um intervalo de tempo sem vento por nosso momento.

.

Você me deixou um vazio imenso que só pode ser preenchido com a sua chegada.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Por que é preciso crescer?



Angústia de pensamentos aflora minha vida pacata chata de releituras de mundo. Queria poder viver sem aquele medo do futuro incerto. Acordar dando bom dia aos pássaros e ponto, não o final, mas o de graças... Meu silêncio hoje é choro. Por que crescer e assumir responsabilidades que não eram suas? Pra que tudo isso? Porque não apenas uma felicidade buscada. E eu sou tão boba de esperanças vagas. Queria poder ser o Peter Pan e ser criança pra sempre. Viver naquele mundo mágico em que é bom viver e sonhar, acreditando na humanidade boa e com seres divinos. É chato viver crescendo... A fórmula mágica cadê? Existe? Preciso mesmo ficar aqui diante do caos do mundo? Não encontro respostas, nem sei se há. Viver ultrapassa qualquer resposta!

.

Queria ser grande o bastante pra não precisar crescer!!!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Luto, sempre uma partida...



Você pode até achar que eu não esperava, mas o não amanhecer do dia apertava meu peito, quase sempre apertado de saberes futuros que não são próprios meus mesmo sendo... Existe um lado do meu ser que sabe, sabe de algo que nesse meu mundinho real chato nada revela de novo. Meu peito aperta-se com a partida de corações amigos que viveram comigo parte de minha vida. Não sei viver pela metade. Dói saber, dói tentar entender, dói esperar o que já sabia sem saber... É um infarto de sensações sem resposta! Momentos diários de alegrias, de sorrisos intensos com moradas de amor entre nossos corações. A gente viveu até onde tudo quase dava certo... Sinto sua ternura no vento que hoje te leva para o outro lado do plano, aquele meu da saudade, aquele seu do lado divino. Viva bem. Fique bem. Guardo-te nas nossas lembranças tão claras, boas de saudade entre um abraço, um sorriso e um Deus te abençoe.

.

Querida entre as bênçãos de carinho. Que a partida seja apenas nesse lado da vida!

sábado, 15 de outubro de 2011

Bilhete



Meu amor,

Sozinha em casa, agora à noite, no verão brasileiro, sinto seu perfume ao vento e me dá uma nostalgia de nossos encontros. E sempre é muito bom lembrar-se de nossos meses juntos. Uma sensação de prazer... Não esqueço. É impossível esquecer. Tentar esquecer. Talvez eu tenha deixado de lado nossos telefones mais longos para poder entender mais o seu lado em contados pequenos, de detalhes. Ando chamando sua atenção nas redes sociais pra nos tomarmos mais sociais nesse mundo de todos que nos aproxima. Você sempre atencioso e lindo comigo. Às vezes essa distância é chata! Repito: - saco! Mas sei que seu ônibus tem destino certo, com um abraço largo esperado. Preciso dele, sabia? Quero e espero tanto por ele que já marquei nosso novo encontro no calendário, à dor vai diminuindo. O bom é nossa juventude da pressa de não querermos esperar mais a velhice do feliz pra sempre. Onde acabará tudo isso? Vejo o altar, lua-de-mel. Um amor quente. E os sonhos sonhados? Estes são nossos. Aquele breve carinho, Deus te abençoe.

Te beijo, meu lindo.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Uma estrela um pedido você.



Agora é o momento exato de ter você desse lado do colo carente, amor. É outubro, mês do nosso aniversário, só nem sei se você lembra, mas eu sei do que eu lembro a cada data passada sozinha. Olho ao acaso o céu de luar cheio, eu vejo você, é você, quem mais poderia ser se não você. Se todos os dias eu acordo com esse meu único pensamento ficar com você seja lá onde for com quem estiver, sendo você, os dias serão menos dolorosos, coloridos, com cheiro de vida. Mas já não sei de nada. Não basta eu apenas querer e pedir você nas estrelas. E tudo porque olhei o nosso calendário, do nosso mês, e todas as recordações que vivemos e ainda esperamos viver.

Espero poder resolver logo tudo isso. Os pedidos já são muitos e minha dívida com esse e o outro mundo de amor está enorme sem espaço para um outro... O momento está chato sem prazer de você. Tudo muito acinzentado, com pouca magia, sem pedaços de céu e o clima cheio luau. Sempre olho as estrelas e procura a cadente delas e peço você. Volte logo ao leito, deixe misturar esse sono nosso velado veloz.

Vou te contar meu segredo: - quando você nos deixa assim sem querer sem saber se volta, fico aqui com meus pensamentos ditos de seus lábios lisos soltos para um beijo, e cheiro seu cheiro e sinto seus sentidos, e amo cada detalhe deixado nas paredes de nossos sonhos.

Tenho ficado sozinha, amor. Ando complicando o simples, mas te amando. Sigo. Claro que esperar você entre as estrelas é lindo sublime, mas não demore, não deixe que o luar de encanto termine e eu continue nesse vazio. Meu coração é cheio de você e só você pode esvaziar ele. Agora, prefiro olhar o luar estrelado. Entre os lenções. Apaguei a luz. Durma bem. A gente combina... amor.

E se você ainda não se lembrar daqueles nossos dias do calendário eu perco a última estrela cadente!

domingo, 9 de outubro de 2011

O calor de nós dois



Acordar com o calor do seu lado, eterno sol de bel-prazer! Intenso eterno cúmplice. Existe algo inexplicavelmente recíproco corpo calor olhares em silêncio. Governa nossos instintos falaciosos de movimento ao encontro do tempo com o todo. Das conversas que temos dedicado poesia amor, entregamo-nos inteiros palavras ou amor? E o calor molhado de afagos moldados entre o corpo vivo escrito... Você me conduz ao acaso em fontes ligeiras de desejo. Nada é passar o tempo. Acredito que o espaço é vago, mas cresce e flui calor entre os eus desejos. Todo pensar dessa ternura gera calor amor inesgotável. Preciso experimentar mais o que tudo isso diz de mim e você. E sei que nossos calores são perenes de histórias inexatas... Vezes o outono aparece. Por quê? E mesmo que não saibamos, mesmo que não queremos saber, se queremos, sei que vou seguir com calor amor nos próximos verões nossos...

.

Se não sei explicar o calor, mas sei senti-lo... você!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

O silêncio dos meus dias... Harmonia!?



Tenho ficado tão quieta, tão chateada em silêncio. Meu bom dia é sincero, mas meu café da manhã é sem gosto. E pouco tenho gargalhado com vontade de sorrir feliz, mas para não deixar alguém no vácuo. Ando rindo dos meus sonhos loucos engraçados. Minha máscara fantasiada com efeitos de dor e solidão de saudade. A musicalidade é feita de momentos caminhados no acaso. Tenho me acostumando com os fragmentos que não me bastam por detalhes. Meu lado maduro está rasgado pela espera... Em segredo: por que a falsidade é oculta percebida em encontros de horários não pensados? E por que sou tão frágil e boba e não atenta aos detalhes ocultos?

Perceber não é o forte das pessoas que veem o mundo em cores de amor e amizade. E a humanidade me proporciona a vivência de acreditar sem culpa... Pena! De mim dos outros de nós! Achava bonito passar uma borracha no desenho da vida feia, vejo que o papel ficou rabisco com esbouço. Sofrer é crescimento, pena que presenteia...

Gosto de mais do abraço e do sorriso pra me perder na beleza de palavras discursadas com tanto respeito por quem não! Gosto da atenção olhada sem desprezo, mas com afeto em tempo de se resolver. Porque me perturbo em acasos de sentir ver e seguir entregando um sim para receber um não sem contato. Só peço: não finja, não fale por trás, diga o que pensa, seja você, não se engane não me engane... Nos aceitemos, agradeço!

.

Tenho engolido tanto sapo de fora pra dentro que meus dias tem sido de silêncios para viver em harmonia!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Ainda sigo sonhando.



Eu sei que se quero algo preciso seguir em frente e essa bagunça de sonhos todos precisa ser arrumada gradualmente enquanto ainda acredito... É por eu ser tão teimosa que ainda sigo nesse sonho, de pés cansados descalços nus. Não existe ainda a fórmula mágica de como se conseguir, mas um anseio leve breve de vontade de ir... Não quero perder a vontade, o equilíbrio das perguntas do aqui e agora posso! É possível que eu chore grite e até canse, mas desistir não quero pensar. Minhas expectativas são de açúcar entre noite e dia... Enfim, estou sonhando tanto com isso, com aquilo, com.

Vou deixar o espírito em paz, relaxado, com vontade de querer... Falando entre pássaros, baixinho, mas sussurros que voz, menos luz mais vida. Não é que eu vivo angustiada pela presença do futuro, o esperar é muito tempo pra mim. Talvez por isso eu escreva, talvez por isso precise pedalar entre os sonhos, talvez por isso esteja tão incomodada com o silêncio vindouro, mas talvez por isso eu consiga fechar e abrir os olhos sorrindo. O sensível é dramático! Sou puro drama! Minha ingenuidade está na malícia de observar a inocência de meus sonhos. Sei que vou conseguir, mesmo depois do tempo...

Se quiser juntar os detalhes sonhados conviva mais com eles. Adoce-se. E acredite no amanhã, no futuro, no momento que espera. É preciso seguir em frente antes de se esperar.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A falta de cada dia.



Lua não me deixe. Passarinhos cantem. Mãe me chama sempre pra me levantar. Estou desorientada. Sem reversas... Sinto a falta permanente de coisas que me completam. Estou ficando silenciosamente triste com um sorriso só de dentes e não de alma. Preciso dos duendes, das fadas, dos gnomos, dos serem que acreditam que vou existir através dos sorrisos. Preciso da completude de amor com carinho de felicidade. Tenho urgência de bons sentimentos e falta deles... Preciso respirar o perfume dos bons ventos e esquecer as faltas das tempestades. Deixar de lado as besteiras que fazem mal viver. Sinto que preciso de mais detalhes. O normal é chato, não se vive, finge que vive.

.

Ah! Complete-me enquanto eu sonho fantasias de sorrisos. Não deixe pra ser amanhã normal.

domingo, 25 de setembro de 2011

Foi um dia de luta...



As pessoas precisam se inquietar mais com os problemas que arrolam em suas vidas. A individualidade nunca conquistou nada, mas a coletividade sim! Fico chocada com o descaso que a sociedade vive em seus respectivos setores sociais... O que fazer? Como fazer? Pra que fazer? São perguntas que perturbam o juízo de qualquer ser que pensa além do mero acordar e dormir!

Sou inquieta teimosa audaciosa, mas estou tentando agir e pensar... Movimentar ainda é um sacrifício para a juventude sedentária de formação política! E acordar não é de um dia para o outro, mas um processo de formação. Não critico a falta, só penso que podemos mudar, a transformação social depende do querer e é isso que nos falta, mas é o que nos resta para continuar vivendo...

Enquanto eu respirar vou lutar acreditando que posso. Posso não mudar o mundo, mas posso sacudir ele. Afinal, somos todos de uma única família com desinências diferentes.

.

A luta não é apenas sua. A luta é nossa, acredite!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Meus acasos.



Leio jornal. Leio revista. Leio romance. Leio artigo. Leio quadrinhos. Leio animê. Leio pauta de reunião. Leio a aula expositiva. Leio e-mail. Leio poste de blog. Leio o homem que passa. Leio o mundo e não entendo. O que me falta? Tempo para refletir e digerir o que vale ou não. Mas leio. E estou lendo. E continuo a ler.

.

Uma desorganização fecunda.

domingo, 18 de setembro de 2011

Domingo...



As pessoas perguntam demais. E nem sempre tenho respostas. Perguntaram como anda meu lado romântico do coração, aquele que trata do amor entre o ser apaixonado. Eu sorri como de sempre! Meu rosto ficou feliz e triste, suspirei fundo e acreditei que ele está sempre com saudade, com amor e certezas de dúvidas... É difícil fechar o pensamento do coração, ele é bobo demais, mesmo que exprima razão ou finja exprimir. É complicado... Ah! Amar é descomplicar e viver todos os sentimentos. E sempre acordo com uma vontade louca de gritar o amor! O que ganho com tudo isso? Muitos mimos talvez. E o que eu perco? Saudades de amor...

.

É sou intensa. Estou vivendo depressa demais.

sábado, 17 de setembro de 2011

Acho que parei no meu tempo de lembranças felizes...


Escrever tá sendo bem estranho parece que estou gritando minhas dores ao vento, expondo as mazelas minhas e nossas. Respeitem meu silêncio escrito e meu luto de sentimentos juntos. Meus ciclos de vivências estão sentindo falta dos detalhes pequenos que tanto demoravam e me faziam felizes, agora tudo é rápido, passageiro demais, se eu não agarrar escapa do meu bel-prazer. Estou tentando acreditar e confiar no meu poder de superação da fase não tão boa de alegrias. Sei que tudo passa e sempre espero o bom de cada tempo, mesmo que nem sempre ele venha... Conto com os bons ventos, as boas pessoas, os bons lugares, os bons hábitos pra dormir e acordar sempre com um sorriso de bom humor. Parece loucura, mas é estranho divertido. As coisas feias desse mundo estão na cor não pintada pelas pessoas que habitam nele, e passam por ele normal demais, saco! Sei também que não é possível ser feliz sempre e sempre, assim a vida seria sem vida. Procuro encontrar amor em tudo que vejo. Sentir coisas que comunicam a vida e nos faz bem viver e continuar vivendo. Admiro os detalhes, eles esclarecem as leituras do mundo... Estou me aquecendo dos bons pensamentos para sobreviver nas tempestades. E olhando mais pra mim e esquecendo mais o outro dos outros, eles são assim e eu sou espirituosa, aventureira, possessiva de amor e alegrias dadas e recebidas.

.

A vida é grande demais para deixarmos ser pequena!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A sexta-feira de espera de saudade.



De todos os dias da semana o mais aguardado é a sexta-feira, não pelo trabalho terminado da semana, não pela aula que acaba, não pelo final de semana que chega para diversão, mas pelo calor do abraço, do sorriso de príncipe, do cheiro só seu aguardado demorado sentido.

A melancolia já me toma quando sei que não vem, quando sei que não poderei grudar em seu colo e perceber que estarei protegida e todos os medos que me angustia por não está ao meu lado me consolando cuidado tratando.

Eu sei que você tem mil situações para resolver e faz parte do processo de vida. Tudo isso eu entendo ou finjo entender para continuar te esperando amando cuspindo a dor da ausência. É por essa chegada que sempre espero, e sei que essa chegada um dia acaba... os dias dormidos juntos chegarão, o beijo roubado das noites em madrugada nos adormecerá, e as expectativas e planos serão ditos durante o café da amanhã ao adoçar nossos dias vividos!

Só quero que não demores muito, os dias estão frios feios sem vontade de se enfeitar... mas deixo sempre a porta entreaberta para sua chegada com uma música de amor para nos olhar abraçar beijar. Mas se te interessa saber, quando chegar ainda em silêncio me abrace perdidamente com aquele coração pulsante dos primeiros dias de namoro que muito me encantava e me deixava abobalhada! Isto seria mais uma das provas de amor que me presta desde a olhada aos mimos de carinho. O que me envolve? Seus lábios, sua sensibilidade, sua inteligência ímpar, suas qualidades de homem à moda antiga, tão lindo, tão meu como diz.

Fisgou-me com esse seu jeitão de observar e amar intensamente com uma ingenuidade linda, sincera de carência de colo. Aprendi a amá-lo com afeto e nasci num novo papel de mulher que pode viver amando um homem sendo feliz! Hoje preciso de você aqui, perto de mim dos meus anseios desejos abraço beijos... tive vontade de cheirar seu pescoço, chega mais chega logo. E não precisa trazer presentes porque o melhor e mais caro-barato é o amor que me trás ao deixar afogar minha saudade em seus braços.

Prefiro que me agarre logo amanhã, depois e todos os nossos dias juntos amando. A saudade é boa, mas primeiro mate-a, de preferência com seu amor...

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

As pessoas sorriem depois do beijo?



“O beijo é um delicioso truque que a natureza criou para interromper a fala quando as palavras tornam-se supérfluas...”.

Rafael.

.

“Um beijo é um segredo que se diz na boca e não no ouvido”.

Jean Rostand.

.

“A única linguagem verdadeira no mundo é o beijo”.

Alfred de Musset

.

“O beijo é uma forma de diálogo”.

George Sand.

.

“O primeiro beijo, seja isso bem claro, não o dão os lábios, mas os olhos”.

O. K. Bernardi.

.

.

.

O momento mágico de mais pura suspensão... para-se o respirar, o fluxo das ideias, a gravidade não existe, o tempo determina-se pelo ir e voltar dos lábios um no outro. Essa união entre dois corpos envolve o que de mais humano temos e fragiliza: sentimentos... E a ponte que nos rege entre a razão e a emoção deseja ser a passagem para o transpasse que é o jardim dos mistérios do amor, segredos nossos...

Ah! O suspiro dado entre o primeiro olhar e aquele beijo esperado são dois momentos em um só sentido e apreciado em um só segundo de eternidade por quem ama. O estalo de amor realizado em sabor, dialogado entre beijo beijinhos beijões!

Se não tem o que falar, beije! Se não tem em que pensar quando se entreolham, beije! Se perder a noção da hora, beije! Se quiseres se perder, beije! Mas beije porque algo lhe toca, sente, mexe com seus íntimos, com seus olhos, lábios, molhados ou não, dependendo do segredo beijado.

Poema.



A próxima vez que a gente se encontrar

Eu vou te dar um beijo, sem pensar, calado

A próxima vez que a gente se beijar

Eu vou querer o mundo com você do lado

(...)

A próxima vez que a gente se encontrar

Eu vou te abraçar

Vou chorar, vou morrer

Só pra te fazer sorrir


Gugu Peixoto e Gustavo Vaz

Sorriso.


"Mesmo depois de conhecer vários e novos sorrisos, o dele ainda é o meu preferido".

Tati Bernardi.
.
.
.

Posso tentar querer esquecer tudo que me provoca em você, seu rosto quadrado fino bem lorde galanteador, seus cabelos curtos de homem muito homem lindo cheirosos, e até seus carinhos leves doces gentis, mas o seu sorriso largo sincero profundo permanecerá na minha memória de ideias e é difícil deixa-lo sair, porque és meu preferido e sempre será, porque você e seu sorriso são eternas boas recordações!

Em mero retrato.



Ainda não sei me descrever e muito menos justificar porque estou escrevendo aqui nesse mundo de todos que é a internet. Talvez pela insistência de minhas fraquezas leves, outras insanas. Estou numa fase intensa de amores com uma ansiedade de afeto e desejos... Emoções loucas de sorriso e abraços feito em laço, disfarce. Digo que cá estou sem nenhuma pretensão de ser escritora ou menina que quer ser, apenas dando asas as emoções...

Acho que esse meu jeito brincalhão, divertido, talvez palhaça de ser defina o meu estado de bom humor quase sempre presente, algo curioso pra quem é apaixonada por cultura oriental, de riso contido. Entretanto o lugar de minhas fantasias alimenta-se do lado ocidental, talvez por isso a alegria não seja dosada, mas posta de dentro pra fora. Eu queria mesmo era poder rir sempre, e ver sempre o riso... quero ser sempre a pessoa das lembranças boas, mesmo sabendo que nem sempre é possível, e isso me fere quando não consigo.

... fico me buscando, seja na compreensão dos que me doo, seja na minha busca de todos os dias. Já engoli a loucura alheia, já me fiz de surda, muda, cega... mas tento não ser seleta com as pessoas, tento ser disponível em instantes presentes da vontade alheia. Afinal, quando mais me gasto, mas estico meu limite e preencho esses meus devaneios que parecem não saber se contentarem sozinhos.

Sofro por não saber dizer não. É uma terapia dizer sim!!! Preciso do sorriso, do abraço, do contado, do amor... necessito desses conselhos de riso largo, profundo com cutucadas de afeto sinceras do nada, do tudo.

Quantos abraços? Quantos sorrisos? Sou do tamanho deles, vivo mais nesses pequenos detalhes de carícias e desejos não abafados. Eu tento ser menos louca e não agarrar qualquer um, mas sou composta de medos sociais e não te ter no amanhã me angustia. E não sei quando vou precisar chorar de saudade eterna. Pretendo sorrir e abraçar infinitamente... Quem, ainda não se sabe!

Sou tão chata e tão legal, oh meu Deus amado! E nesse instante de não construção do que sou, talvez deixei escapar o que sou sem saber o que sou, por que afinal quem somos? Sou apenas mais uma amante da escrita da leitura da ‘frescura letrada’ ignorada. Sou ansiosa teimosa concubina das invejas brancas de quem tem tempo para querer ser alguém...

Estou em toda parte basta sorrir, se virar ABRACE!