sábado, 15 de outubro de 2011

Bilhete



Meu amor,

Sozinha em casa, agora à noite, no verão brasileiro, sinto seu perfume ao vento e me dá uma nostalgia de nossos encontros. E sempre é muito bom lembrar-se de nossos meses juntos. Uma sensação de prazer... Não esqueço. É impossível esquecer. Tentar esquecer. Talvez eu tenha deixado de lado nossos telefones mais longos para poder entender mais o seu lado em contados pequenos, de detalhes. Ando chamando sua atenção nas redes sociais pra nos tomarmos mais sociais nesse mundo de todos que nos aproxima. Você sempre atencioso e lindo comigo. Às vezes essa distância é chata! Repito: - saco! Mas sei que seu ônibus tem destino certo, com um abraço largo esperado. Preciso dele, sabia? Quero e espero tanto por ele que já marquei nosso novo encontro no calendário, à dor vai diminuindo. O bom é nossa juventude da pressa de não querermos esperar mais a velhice do feliz pra sempre. Onde acabará tudo isso? Vejo o altar, lua-de-mel. Um amor quente. E os sonhos sonhados? Estes são nossos. Aquele breve carinho, Deus te abençoe.

Te beijo, meu lindo.

2 comentários:

Keila Rodrigues disse...

Ah, o vento! Sempre levando e trazendo as lembranças dos amores, amantes apaixonados e solitários amados. Sopra ao ouvido dela, a solitária amante, oh vento. Dize-lhe que escrevas e escrevas...lindas palavras...

Marlos disse...

Aaaa! amor! :)
Meu caminho, você sabe, tem um rumo que é nos seus braço aconchegantes. Muito me orgulho amor de sua sabedoria em nos 'administrar' pois eu aqui longe e você ai...
Super emocionado, sempre, com o que escreve, e muito feliz em te ter...
E muito de bom nos aguarda nesta vida... eu ao seu lado.
Te amo princesa... :)
Saudades s2...

Postar um comentário