quinta-feira, 26 de julho de 2012

... isto é amizade.


Desejada assim de graça e nem sei por quê. Acho que posso dizer que ainda é amizade, sim? Mesmo que tenhamos nos perdido nesses olhares rasgados entre seu perder-se e eu tentar te encontrar. Um perder-se ainda sem rumo, sem saber se vale a pena, já que alma é tão pequena... É amizade porque eu te guardo do lado esquerdo do peito com uma lembrança sadia de grato sorriso de boas-vindas, da descoberta de uma escrita desconhecida pra alguns e da falta de termos nos encontrados em outros momentos. É amizade, porque brincamos no primeiro momento, sorrimos sem pressa, olhamo-nos, ajudamo-nos, mas não viajamos, apertamos as mãos e achamos pouco e nos abraçamos de alma, de livros, de devaneios, de poesia por sua parte de prosa pela minha. Não fique triste, mas meu florescimento é amigo. Aprendi a separar os sentimentos ainda quando criança e hoje, quando vejo você, seu sorriso, sinto seu abraço percebo que estamos no caminho certo... E a amizade só pode ser esta falta um do outro de saudade, querer que ele se sinta bem entre afagos, mesmo que você já não esteja entre suas prioridades. Mesmo que tudo isto seja um adeus para todo sempre ou um abraço em plenitude de um para sempre, se é que existe em vida...

.

Continue me amando entre nossa amizade.

1 comentários:

Érika Vanessa Santos disse...

A sua escrita poética é facinante!

Postar um comentário